crbsp@crbsp.org.br

Ampliar

Entre os dias 11 e 13 de março de 2022, na Casa de Oração das Irmãs Paulinas, aconteceu o módulo 1 do Perpetuinter 2022. O encontro é uma iniciativa da CRB-SP que visa a preparação de junioristas, a partir do quinto ano de consagração, em vista da profissão perpétua. A assessoria ficou por conta do Frei André Luiz Boccato de Almeida, OP, que facilitou a reflexão dos participantes acerca da “Centralidade de Jesus Cristo na consagração definitiva”.

Os participantes, vindos de diversas regiões do país, chegaram na sexta-feira (11) para o almoço. Em seguida, o Frei André tratou sobre os desafios da vida religiosa na atualidade: “estamos aqui nesse Perpetuinter para centrar nossas vidas no seguimento de Jesus Cristo; como é difícil, diante de tantos condicionamentos, influências e determinismos, termos os olhos e o coração voltados para o essencial e assim irmos amadurecendo nossas motivações”. Foram apresentados, então, três desafios e oportunidades que influenciam o consagrado contemporâneo: a cultura do narcisismo (autorreferencialidade), a cultura da provisoriedade (ou do descartável) e a cultura da distração (constante excitação para permanecer fora de si). Tudo isso precisa ser assumido com coragem e convicção profunda de vida. Frente essa realidade, o assessor afirmou a necessidade de se tomar consciência para a superação e compreensão desses excessivos desvios da cultura.

O segundo dia tratou, pela manhã, sobre “Jesus Cristo: referência da consagração”, partindo do texto de Mc 8,27-30. O texto bíblico apresenta três elementos que explicitam a centralidade de Jesus: oração, discipulado e missão. Pela oração, assume-se o projeto de Jesus; pelo discipulado, se permanece com o Mestre; pela missão somos enviados a manIfestar, com o testemunho de vida, a centralidade de Jesus. O Frei André propôs que estamos na vida consagrada não por falta de opção, mas para sermos enviados porque sentimos dentro de nós uma voz inconfundível que jamais nos desamparará. Assim, a centralidade de Jesus na vida consagrada é fundamental — à medida que se lê e medita a vida de Jesus, fonte do discipulado e envio missionário — para não sermos engolidos pela cultura narcisista, provisória e distraída. No período da tarde, o assessor refletiu sobre o que é ser discípulo (estar com Jesus e partilhar da sua missão), apresentou os inimigos do discipulado e do seguimento. O dia terminou com um divertido momento de confraternização.


No último dia, após a celebração da Eucaristia, o Frei Boccato apresentou Maria, Mãe de Jesus, como discípula e protótipo na consagração definitiva. Meditou-se sobre o sentido último da consagração definitiva enquanto total entrega de corpo, alma e espírito ao serviço do Evangelho num carisma particular para enriquecer o Corpo de Cristo, pela força do Espírito: isto, é, estar “cheio” do Espírito para sermos “itinerantes” e “caminhantes” como Maria, portando Jesus com a nossa vida e testemunho.

Durante os três dias a programação intercalou momentos de reflexão comunitária, partilhas em grupos de vivência e espaços para a meditação pessoal; além da integração entre os participantes. Sem dúvidas foi um momento oportuno e facilitador para a tomada de consciência sobre o significado e a importância da opção definitiva, para que os participantes assumam com decisão a consagração de suas vidas centrada em Cristo.

Frei Lucas Raul
lucas.faria@osj.org.br
Juniorista da Congregação dos Oblatos de São José